Pai de bebê de 10 meses morto na CIC é preso em flagrante, mas responderá em liberdade

Foto: Eliandro Santana/Banda B

Foto: Eliandro Santana/Banda B

O pai do bebê de 10 meses encontrado morto na Cidade Industrial de Curitiba (CIC) foi preso em flagrante pelo crime de homicídio doloso. O caso aconteceu na noite da última sexta-feira (22), após a Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ir até a residência e encontrar o menino sem vida na residência da família. Apesar do flagrante, ele responderá em liberdade por ser réu primário.

Tito Lívio Barrichello, delegado da DHPP, explicou que o menino ficou na posição de bruços (com a cabeça para baixo) durante 23 horas, das 17 horas da quinta-feira (18) até 16 horas do dia seguinte. Barrichello, então, entendeu que faltou cuidado ao pai, algo que é estabelecido por lei a ele.

"Era um dia quente. O bebê estava sem água, sem comida e com vários cobertores. Após apurarmos este fato, nós o prendemos durante a madrugada", iniciou.

O delegado comentou sobre a lei que diz que os pais são responsáveis pelo bem estar dos filhos, sendo os garantidores da vida. "Portanto, no meu entendimento, o pai tinha a obrigação de estar ali. Ele não era uma pessoa que se omitiu porque poderia ser um caso de omissão ou abandono de incapaz. O pai não cuidou daquele bebê. Ele o deixou 23 horas na mesma posição, então o pai quis aquele resultado", pontuou.

Morte

Além da Polícia Civil, a Polícia Militar, a Polícia Científica, médicos e o IML (Instituto Médico Legal) foram até a casa que fica na Vila Barigui. No dia do crime, Barrichello disse à Banda B que o o bebê apresentava manchas na região do rosto, peito e pernas. As marcas aparecem quando o corpo fica parado durante um certo tempo na mesma posição.
Foto: Eliandro Santana/Banda B

"O sangue migra para a parte baixa do corpo e nessa parte aparecem muitas escoriações", explicou Barrichello no dia do crime. "Nós encontramos o bebê com "nívões cadavéricos", ou seja, um depósito de sangue que, devido à gravidade, desce para a parte de baixo do corpo. Consequentemente, a pessoa morre. Isto também dá a entender que são lesões, mas não eram", detalhou o Barrichello nesta segunda-feira (22).

Pai

No dia da morte, Barrichello explicou que o pai ficou com a responsabilidade de cuidar da criança após a mãe do menino sair para trabalhar. Ele, no entanto, ao ser preso, afirmou que passou o dia em outros locais. "Ele é um usuário de drogas e ao invés de cuidar da criança, fez isto. Então, mais uma vez, ele tinha o dever do cuidado. É algo muito triste porque a criança significa a vida", analisou Barrichello.